Lisboa, cidade aberta e fechada: das novas leituras em espaços públicos

Palabras clave: Bibliotecas ao ar livre, Cultura de massas, Censura, Educação popular, história da leitura, Imaginário cultural, Modernidade cultural, Nacionalismo, Política cultural, Democratização, Educação e cultura, Portugal, Mulher

Resumen

Neste texto analisa-se o alcance educativo e sociocultural das bibliotecas ao ar livre na Lisboa novecentista, expoente em Portugal duma tendência internacional de modernização dos serviços bibliotecários. Expõem-se os limites da modernidade cultural numa sociedade em que a democratização educativa e cultural foi muito constrita e lenta mas na qual as sociabilidades de rua, as experiências educativas e o dinamismo sociocultural urbano foram amiúde expressivos. Verifica-se ainda como a função educativa da biblioteca teve sentidos distintos, consoante as concepções político-ideológicas dominantes, passando-se do potencial progressista e emancipatório do período republicano para a tónica na censura e no controle ideológico durante a ditadura salazarista. A ânsia de domesticação, pelas autoridades, de grupos de leitores emergentes enfrentou opções inexoráveis, pela imprensa e por uma leitura mais recreativa e ligada à indústria cultural ocidental. Ademais, a frequência destes espaços extra-domésticos contribuiu para a paulatina libertação feminina do patriarcalismo, plenamente assumida no pós-ditadura.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Daniel MELO, Universidade Nova

Investigador integrado no CHAM — Centro de Humanidades/ Centre for the Humanidades, Faculdade de Ciêncais Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa.

Citas

ANÓNIMO. (1922). Como o povo aprende a amar a sua terra e os seus escritores. Ilustração Portugueza. 854, 20. http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/Ilustra caoPort/1922/N854/N854_item1/P21.html [07/09/2018].

BAGAGEM, Ana. (2008). Americanização e aparecimento da cultura de massas em Portugal. Universidade de Coimbra: Portugal. http://www.dgsi.pt/bpjl.nsf/83cbe9ace f94db5a8025730800549412/6568793e4dedf49f802578730034041e?OpenDocument.

BANDEIRA, Filomena. (1994). A Universidade Popular Portuguesa nos anos 20. Universidade Nova de Lisboa: Portugal. http://hdl.handle.net/10362/14306.

CASTELO, Cláudia. (2008). A evolução das práticas profissionais nas bibliotecas municipais de Lisboa. [Comunicação não publicada] 2.ª Conferência da iniciativa “O Mês da Profissão de Informação -Documentação na Câmara Municipal de Lisboa”. Lisboa. http://blx.cm-lisboa.pt/fotos/gca/1215787947a_evolucao_das_praticas.pdf [07/09/2018].

CML. (1959). 25 anos de serviços culturais. Lisboa: CML.

CML. (2000). A revolução é um sonho: José Gomes Ferreira, Alexandre Ferreira. Lisboa: Biblioteca-Museu República e Resistência da CML.

Decreto-lei de 18 de Março de 1911 (Diário do Governo, Série I, 1911-03-18).

Decreto-lei nº 19952 de 27 de Junlo de 1931 (Diário do Governo, Série I, 1931-07-27).

DIAS, Jaime Lopes. (1939a). Aspectos culturais – vida mental de Lisboa. Revista Municipal. 1, 61-62. http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/RevMunicipal/N1/N1_item1/ P64.html, http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/RevMunicipal/N1/N1_item1/ P65.html [07/09/2018].

DIAS, Jaime Lopes. (1939b). Aspectos culturais – vida mental de Lisboa. Revista Municipal. 2, 24. http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/RevMunicipal/N2/N2_item1/ P26.html [07/09/2018].

GOMES, Marie Odile. (1992). Le Portugal. In POULAIN, Martine (Ed.). Les bibliothèques publiques en Europe (pp. 309-329). Paris: Éditions du Cercle de la Librairie.

GREENBERG, Gerald S. (2003). “On the roof of the library nearest you”: America’s open-air libraries, 1905-1944. In FREEMAN, Robert S. Freeman; HOYDE, David V. (Eds.). Libraries to the people: histories of outreach (pp. 181-191). Jefferson (N.C.): McFarland and Company.

JANEIRO, Maria João (1994). Lisboa revisitada: lojas, quotidiano e vida urbana. In

JENKINS, Christine A. (2000). The history of youth services librarianship: a review of the research literature. Libraries & Culture, 35-1, 103-140.

LEITE, José (2014). Restos de colecção. [Blog] http://restosdecoleccao.blogspot.com/2014 /08/bibliotecas-ao-ar-livre.html?showComment=1409003303147#c712193453571278 4650).

MELO, Daniel. (2004). A leitura pública no Portugal contemporâneo (1926-1987). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

MELO, Daniel. (2008). Leitura pública, educação popular e política cultural em Portugal (1870-1950). In PITA, António Pedro; TRINDADE, Luís (Eds.). Transformações estruturais no campo cultural português (1900-1950) (pp. 135-161). Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

MELO, Daniel. (2010). A leitura pública na I República. Famalicão: Húmus.

MELO, Daniel. (2016). A censura salazarista e as colónias: um exemplo de abrangência. Revista de História da Sociedade e da Cultura, 16, 475-496. https://doi.org/10.14195/1645-2259_16_21 [07/09/2018].

NEVES, Rui. (2006). As bibliotecas em movimento. As bibliotecas móveis em Portugal. [Comunicação não publicada]. II Congreso de Bibliotecas Móviles. Barcelona. http://www.bibliobuses.com/documentos/ruineves.pdf [07/09/2018].

NÓVOA, António (2005). Evidentemente: histórias da educação. Porto: Asa.

PEIXINHO, Ana Teresa; DIAS, Luís Augusto Costa (2015). A cidade e as suas personagens em fim de século: quadro de emergência de uma cultura urbana de massas em Portugal. Mediapolis: revista de comunicação, jornalismo e espaço público, 1, 101-115. http://dx.doi.org/10.14195/2183-6019_1_6 [07/09/2018].

RAMOS, Maria Carolina. (1919). Como o povo aprende a amar a sua terra e os seus escritores. Ilustração Portugueza. 718, 405-408. http://hemerotecadigital.cm-lisboa.pt/OBRAS/IlustracaoPort/1919/N718/N718_master/N718.pdf [07/09/2018].

REIS, Carlos (1991). A produção cultural entre a norma e a ruptura. In REIS, António (Ed.), Portugal contemporâneo. Vol. 4 (pp. 201-270). Lisboa: Alfa.

SÁ, Victor de. (1956). As bibliotecas, o público e a cultura. Braga: ed. autor.

TRANIELLO, Paolo. (1997). La biblioteca pubblica. Bolonha: Il Mulino.

TRINDADE, Luís (2014). A cultura. In TEIXEIRA, Nuno Severiano (Ed.). História contemporânea de Portugal, 1808-2010 (pp. 196-234). Lisboa: Objetiva.

VAQUINHAS, Irene. (2012). Los peligros de la lectura en femenino: de los libros prohibidos a los libros aconsejados (siglos XIX-XX). In ALTURO, Jesús; TORRAS Miquel, CASTRO, Ainoa. La producció i circulació de llibres clandestins des de l'antiguitat fins als nostres diez (pp. 95-112). Barcelona: Universidad Autònoma.

Publicado
2019-05-30