Jornal-Magazine da Mulher, uma mediação feminina do neo-realismo

Palabras clave: Intelectual mediador, Neo-realismo, Campo cultural e literário, Imprensa feminina, Cultura de participação, Hegemonia cultural

Resumen

Coube à imprensa cultural ser o reduto de resistência neo-realista que lhe permitiu sustentar um discurso e uma acção contra-hegemónicos ao salazarismo. Nesse campo importa não esquecer alguns periódicos de destinatário feminino no Pós-guerra, como é o caso do Jornal-Magazine da Mulher (1950-1956), dirigido por Lília da Fonseca. Com regularidade mensal, explora as potencialidades de magazine ilustrado e contorna o silenciamento imposto pela Censura à projecção pública do Neo-Realismo, inclusive por via do noticiário e da reportagem. Nessa medida, combina as secções habituais de moda, lavores e puericultura com a promoção de obras, autores e ideias-chave neo-realistas, como politização da arte, educação pela arte ou associativismo popular, e com a valorização profissional da mulher, inclusive no domínio intelectual.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

CARNEIRO, Gustavo Antunes Rodrigues Martins. (2013). Paz, palavra proibida – o Partido Comunista Português e a luta pela paz (1950-1952). [Tese de 2º Ciclo]. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto. https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/72466/2/28537.pdf [29/07/2018].

CARVALHO, Mário Vieira de. (2006). Pensar a música, mudar o mundo: Fernando Lopes-Graça. Porto: Campo das Letras.

DIAS, Luís Augusto da Costa. (2011). O “Vértice” de uma renovação cultural. Imprensa periódica na formação do Neo-Realismo (1930-1945). [Tese de Doutoramento]. Coimbra: Universidade de Coimbra. https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/20295?locale=pt_PT [29/07/2018].

FERREIRA, Ana Paula. (1996). Um casamento infeliz ou os neo-realistas e o feminino. Revista Colóquio/Letras, 140-141, 147-154.

FERREIRA, Ana Paula. (2002). A "literatura feminina" nos anos quarenta: uma história de exclusão. In A urgência de contar. Contos de mulheres dos anos 40 (pp. 13-53). Lisboa: Caminho.

GEORGE, João Pedro. (2002). O meio literário português. Prémios literários, escritores e acontecimentos (1960-1998). Lisboa: Difel.

GOMES, Ângela de Castro & HANSEN, Patrícia Santos. (2016). Apresentação – Intelectuais, mediação cultural e projetos políticos: uma introdução para a delimitação do objeto de estudo. In GOMES, Ângela de Castro & HANSEN, Patrícia Santos. (Eds.). Intelectuais mediadores. Práticas culturais e ação política (pp. 7-37). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

GORJÃO, Vanda. (2002). Mulheres em tempos sombrios. Oposição feminina ao Estado Novo. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Jornal-Magazine da Mulher. 1950-1956. 52 n.os (periodicidade mensal; a partir do nº 49, Setembro 1955, com o nome Jornal-Magazine), BNP: J. 4703 B.

LARANJEIRA, Pires. (1995). A negritude africana de língua portuguesa. Porto: Afrontamento.

MADEIRA, João. (1996). A polémica interna do Neo-Realismo. In Os engenheiros de almas. O Partido Comunista e os intelectuais (pp. 277-314). Lisboa: Estampa.

MIGUÉIS, José Rodrigues. (1930). Sobre os fins e a coragem nos meios de actuar I. Seara Nova, 220, 58-61.

NEVES, José. (2008). Comunismo e nacionalismo em Portugal. Política, cultura e história no século XX. Lisboa: Tinta da China.

OLIVEIRA, Carlos de. (1979). O iceberg (1966). In O aprendiz de feiticeiro (pp. 181-197). 3ª. ed. corrigida. Lisboa: Sá da Costa.

Os Nossos Filhos, 1942-1964. 205 n.os (periodicidade mensal entre 1942 e 1958 e anual até 1964). BNP: J. 5317 B.

PEREIRA, José Pacheco. (2005). Álvaro Cunhal. Uma biografia política III. O prisioneiro (1949-1960). Lisboa: Temas & Debates.

PESSOA, Ana Maria Pires. (2016). Revista Os Nossos Filhos: resistência e oposição ao Estado Novo – Um olhar sobre as ligações sociais e profissionais da sua autora. Faces de Eva. Estudos sobre a mulher, 36, 97-114. http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-68852016000200008 [29/07/2018].

PITA, António Pedro. (2002) Conflito e unidade no Neo-Realismo português. Arqueologia de uma problemática. Porto: Campo das Letras.

PITA, António Pedro. (2011). As vias da arte – A via curta e a via longa. In MARGATO, Izabel & GOMES, Renato Cordeiro (Eds.). Literatura e revolução (pp.11-28). Belo Horizonte: UFMG.

SEN-Sociedade Editora Norte. (1951). Circular. 4. https://www.facebook.com/manueldeazevedo1916/posts/s-e-n-sociedade-editora/1092713564177604/ [29/07/2018].

SERRALHEIRO, Lúcia. (2011). Mulheres em grupo contra a corrente. Rio Tinto: Evolua Edições.

SIRINELLI, Jean-François. (1998). As elites culturais. In RIOUX, Jean-Pierre &

SIRINELLI, Jean-François (Eds.). Para uma História Cultural (pp. 259-279). Lisboa: Estampa.

TRINDADE, Luís. (2016). Narratives in Motion. Journalism and Modernist Events in 1920s Portugal. New York/Oxford: Berghahn Books.

VASCONCELOS, Gastão. (2005). Jornal-Magazine da Mulher. In CASTRO, Zília Osório de & ESTEVES, João (dir.). Dicionário no feminino (séculos XIX-XX) (pp. 469-470). Lisboa: Horizonte.

VIÇOSO, Vítor. (2011). A narrativa no movimento neo-realista. As vozes sociais e os universos da ficção. Lisboa: Colibri.

Publicado
2019-05-30